VEM SENHOR JESUS!

"Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não incorre na condenação, mas passou da morte para a vida". (Jo 5,24).

SEJAM BEM VINDOS À ESSA PORTA ESTREITA DA SALVAÇÃO

"Uma só coisa peço ao Senhor e a peço incessantemente: é habitar na casa do Senhor todos os dias de minha vida, para admirar aí a beleza do Senhor e contemplar o seu santuário". (Sl 26,4).

segunda-feira, 21 de maio de 2018

"TUDO É POSSÍVEL AO QUE CRÊ."


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Mc 9,14-29)(21/5/18)

"Tudo é possível para quem tem fé”.

Caríssimos, muitas vezes nos deparamos com situações na vida em que nos sentimos impotentes diante delas, como aconteceu com os Apóstolos no Evangelho de hoje. Se analisarmos bem, veremos que nossas soluções atônitas nada resolvem, ao contrário, só aumenta ainda mais a confusão, mesmo que tenhamos fé e estejamos com o Senhor. Mas porque isso acontece? Porque quase sempre nossas soluções são frutos do que entendemos da fé e não do seu real poder. Na resposta de Jesus ao pai da criança e aos Apóstolos está a real solução para as situações dessa natureza.

"Se podes!... Tudo é possível para quem tem fé”. “Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração”. Ou seja, os dons básicos para a ação do poder de Deus nas mais diversas situações de nossa vida, são a fé e a oração. O pai da criança mesmo no desespero que o acompanhava, acreditava, mas por lutar tantas vezes contra tal fenômeno sem obter resultado, já perdera as esperanças, por isso, pediu reforço para a sua fé racional e logo obteve êxito em sua oração. Já por parte dos Apóstolos a resposta de Jesus serviu de aprendizado para eles, pois também necessitavam de discernimento para agir com a autoridade do poder de Deus, para expulsar o mal que por algum motivo ali se encontrava.

Uma outra bela reflexão que podemos colher desse acontecimento, é esta: as coisas que dizem respeito às ações do Senhor nas situações de nossa vida, requer silêncio, pois em meio ao barulho deste mundo não existe espaço para a graça, mas somente para a confusão. Aliás, o silêncio é sagrado, nele encontramos e escutamos Deus; e assim temos todas as graças por vivermos na Sua Presença, em comunhão com a Sua vontade, fazendo tudo o que é do seu agrado; enquanto que, o barulho é infernal. Nele não se tem nada além de sons ensurdecedores que muito inquieta a alma, que desolada suplica ao Senhor que lhe dê a paz e o amor de que tanto necessita.

Caríssimos, tudo o que o ser humano faz fora da vontade de Deus, é porta aberta para as ações do inimigo de nossas almas; todavia, quando se busca em Jesus a solução, tudo muda de imediato, pois, o impossível aos limites da fé natural, torna-se possível pela ação do Espírito Santo que concede o dom da fé Carismática à todos aqueles que procuram o Senhor com sinceridade de coração.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

domingo, 20 de maio de 2018

VEM ESPÍRITO SANTO, VEM POR MEIO DA PODEROSA INTERCESSÃO DE MARIA...


Homilia do Dom de Pentecostes (Jo 20,19-23)(20/5/18).

Como um fogo abrasador, o Espírito do Senhor, desceu sobre Maria e os Apóstolos no dia de Pentecostes e renovou a face da terra; desde então, a Igreja, esposa de Cristo, é composta por todos os seus filhos e filhas que nascem da água e do mesmo Espírito que O gerou no seio de Sua Mãe Santíssima. Em outras palavras, esse novo nascimento é também nosso Pentecostes, pois de igual modo, o Espírito Santo veio sobre nós no momento em que fomos batizados.

Então, confirmando, o que é mesmo Pentecostes? É a vinda do Espírito Santo prometido por Cristo; diz-se também do nascimento da Igreja, tendo em Maria e nos Apóstolos sua visibilidade. Em meio a tudo isso, a Igreja é Cristo e Cristo é a Igreja, exatamente como Ele mesmo a descreve, como a videira, cuja seiva é o Espírito Santo, e o Pai Eterno, é o Agricultor que com seu divino amor poda, renova seus ramos e multiplica os seus frutos para que todos tenham a vida divina. Todavia, os ramos secos dessa videira serão arrancados e lançados fora, pois não é possível que depois de receberem tantas graças, continuem sem dar fruto algum.

Caríssimos, Pentecostes é também a manifestação da Palavra proclamada pela Sabedoria do Espírito, por meio dos Apóstolos, e escutada por todas as nações presentes e futuras, pois o Espírito do Senhor continua a obra da salvação dos homens até o fim do mundo. Todavia, sem a pregação da Palavra e o testemunho dela não se tem conversão nem sinais nem prodígios.

De fato, hoje em dia se difunde muito a palavra humana e se esquece facilmente da Palavra Divina; o resultado são as falsas notícias, a multiplicação das calúnias, a difusão do ódio, das divisões e de todos os males advindos do pecado da palavra falada, escrita e multimídia, até mesmo entre os cristãos. Por isso, muito cuidado com os pecados das palavras porque eles são venenos para a alma; nunca os escute. Com efeito, assim disse o Senhor: "O homem de bem tira boas coisas de seu bom tesouro. O mau, porém, tira coisas más de seu mau tesouro. Eu vos digo: no dia do juízo os homens prestarão contas de toda palavra vã que tiverem proferido. É por tuas palavras que serás justificado ou condenado."

Conclusão: Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso Amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra.
Oremos: Ó Deus que instruíste os corações dos vossos fiéis, com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos da sua consolação.Por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

sábado, 19 de maio de 2018

VINDE Ó ESPÍRITO SANTO


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 21,20-25)(19/5/18).

Caríssimos, a liturgia de hoje nos prepara para o grande Pentecostes da Igreja, ou seja, a vinda do Espírito Santo, tal qual Jesus prometera: "Mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins do mundo." Ora, por que Deus escolheu o testemunho como meio de comunicação de suas graças sobre toda a humanidade, começando pelo testemunho do Seu próprio Filho?

Caríssimos, só entendemos os desígnios de Deus quando nos submetemos aos ditames da Sua Vontade. Aliás, tudo o que vemos é bom, belo e perfeito, pois trata-se da visibilidade natural, mas a naturalidade não tem sua origem em si e por si; assim, entendemos pela fé, que Deus tudo criou por amor com o poder de Sua Palavra, como meditamos no Evangelho segundo João: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito."

Todavia, por causa do pecado dos seres que criou, esse Verbo Criador veio ao encontro de Sua obra para redimi-la ao custo do sacrifício da própria vida, e assim enviou o Seu Espírito, para que todos Dele nascidos, tivessem a remissão dos pecados, a participação na Sua natureza divina e a felicidade eterna no Reino de Deus. Por isso, essa Solenidade é a própria imagem da celeste habitação, pois a Igreja é a parte visível do Reino dos Céus neste mundo. Crer nessa verdade é viver a realidade que está à cima de nossa natureza para além de tudo o que tenta nos persuadir de que a vida tem seu fim após a morte.

Conclusão: Caríssimos, "Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus. Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más. Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus."

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

A VIRTUDE QUE NOS CONDUZ AO CÉU...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 21,15-19)(18/5/18).

Caríssimos, certa feita disse o Senhor: "Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena. Não se vendem dois passarinhos por um asse? No entanto, nenhum cai por terra sem a vontade de vosso Pai. Até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois! Bem mais que os pássaros valeis vós." De fato, a vida mais do que em dom é uma missão; viver e fazer a vontade de Deus, amando-o sobre todas as coisas, se constitui o verdadeiro sentido da vida que Dele recebemos.

Não estamos no mundo para vivermos por acaso, pois seria viver somente para a morte, aliás sobre isto, eis o que meditamos no Livro de Sabedoria: "Não procureis a morte por uma vida desregrada, não sejais o próprio artífice de vossa perda. Deus não é o autor da morte, a perdição dos vivos não lhe dá alegria alguma. Ele criou tudo para a existência, e as criaturas do mundo devem cooperar para a salvação. Nelas nenhum princípio é funesto, e a morte não é a rainha da terra, porque a justiça é imortal." Assim compreendemos que a graça do Senhor supera infinitamente os limites de nossa frágil natureza.

No Evangelho de hoje, Jesus não só confirma o perdão dado a Pedro, por meio de sua retratação, mas também a missão que lhe concedera (cf Mt 16-19); e mais ainda, profetiza com que morte Pedro haveria de glorificar a Deus. Portanto, a obediência do seguimento requer, de nossa parte, a renúncia à tudo que somos e temos por nós mesmos, para vivermos a grande virtude de sermos conduzidos pelo Espírito Santo e o seu santo modo de agir em nosso viver, como vimos o exemplo de São Paulo na primeira leitura.

Caríssimos, é certo que tentamos planejar tudo na vida e vivermos do nosso jeito; mas num dado momento sentimos que por mais organizados que sejamos, nossos planos quase sempre naufragam nas águas turvas de nossos limites; e quando nos retratamos com o Senhor, como Pedro o fez, recebemos também a confirmação de nossa missão e a graça de como glorificarmos a Deus e assim entrarmos no Reino dos céus.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

A FÉ PERSEGUIDA...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 17,11b-19)(16/5/18)

Caríssimos, a experiência da graça de Deus na vida de seus eleitos sofre constantemente a violência dos que lhes são contrários, à começar por aqueles que professam uma fé que não condiz com a Palavra de Jesus, sem contar aqueles que professam um ateísmo prático ou aquele que nasce da indiferença religiosa; ou ainda daqueles que se aliaram às hostes do maligno diretamente e usam de todos os meios tentando destruir a fé dos filhos e filhas de Deus.

Na primeira leitura de hoje, Paulo oriente os líderes da comunidade de Éfeso para que tomem conta do rebanho que Deus lhes confiou conforme o seu ministério, sabendo que as ovelhas sofrerão todo tipo de ataques, como Ele mesmo disse: "Eu sei, depois que eu for embora, aparecerão entre vós lobos ferozes, que não pouparão o rebanho. Além disso, do vosso próprio meio aparecerão homens com doutrinas perversas que arrastarão discípulos atrás de si. Por isso, estai sempre atentos: lembrai-vos de que, durante três anos, dia e noite, com lágrimas, não parei de exortar a cada um em particular."

Com efeito, no Santo Evangelho de hoje, vimos que em sua oração sacerdotal, Jesus pede ao Pai a unidade dos discípulos que estão ainda no mundo, na certeza de que assim como Ele sofreu nas mãos daqueles que o odiavam, de igual modo, eles também haverão de sofrer por causa de seu nome, todavia, mas isto aumentará ainda mais a herança eterna que lhes está reservada.

Caríssimos, estamos no mundo das diferenças e a maior de todas está entro os filhos das trevas e os filhos da luz. Enquanto, os primeiros se destacam pelo ódio e a violência com que atacam suas vítimas; os filhos da luz são iluminados com o amor e o perdão que oferecem aos seus algozes. De fato, o cristianismo ao longo da história da humanidade sofreu os mais terríveis ataques, quer diretamente, quer por aqueles que se diziam cristãos, mas cometiam grandes atrocidades em nome de Cristo, difamando o seu nome, a Igreja e de todos os seus filhos, se esquecendo que a Igreja é Santa.

Por isso, eis o que diz o Senhor: "Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á." Portanto, "Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer."

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

domingo, 13 de maio de 2018

FESTA DA ASCENSÃO DO SENHOR


Homilia do 7°Dom do tempo Pascal (Mc 16,15-20)(3/5/18)

Caríssimos, neste tempo de espera, a Palavra de Jesus nos orienta para obediência à vontade do Pai, mas para isto Ele nos dá o Seu Espírito para que sejamos testemunhas de Sua Ressurreição, pois o Espírito do Senhor nos comunica toda verdade à seu respeito e de como devemos proceder nesse tempo de anúncio do Seu Reino de justiça e de paz. É bem como vemos no Evangelho de hoje: "Os discípulos então saíram e pregaram por toda parte. O Senhor os ajudava e confirmava sua palavra por meio dos sinais que a acompanhavam."

Com efeito, hoje a Igreja celebra a Ascensão do Senhor, mas, qual é o significado desta festa? É o mesmo do Salmo 109: "O Senhor disse a meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu ponha teus inimigos por escabelo dos teus pés." Ora, em seu desígnio de amor Deus Pai determinou tudo conforme o seu plano para a salvação de todos os creem no Seu Filho, Jesus Cristo, Rei do Universo, "autor e consumador de nossa fé."

Mas, quando será a Parusia (segunda vinda) do Senhor? Ora, os Apóstolos também indagaram o Senhor sobre isso: "Então os que estavam reunidos perguntaram a Jesus: “Senhor, é agora que vais restaurar o Reino em Israel?”Jesus respondeu: “Não vos cabe saber os tempos e os momentos que o Pai determinou com a sua própria autoridade. Mas recebereis o poder do Espírito Santo que descerá sobre vós, para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e na Samaria, e até os confins da terra”. Ou seja, esse nosso tempo é ainda o tempo do anúncio de Sua misericórdia e preparação para a sua vinda definitiva.

"Depois, virá o fim, quando Ele entregar o Reino a Deus Pai, depois de haver destruído todo principado, toda potestade e toda dominação. Porque é necessário que ele reine, até que ponha todos os inimigos debaixo de seus pés." Portanto, "Alegremo-nos, exultemos e demos glória a Deus, porque o Senhor todo-poderoso tomou posse do seu reino, aleluia! (Ap 19,7.6)."

Conclusão: "Homens da Galiléia, por que ficais aí a olhar para o céu? Esse Jesus que acaba de vos ser arrebatado para o céu voltará do mesmo modo que o vistes subir para o céu."

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

sábado, 12 de maio de 2018

VIVENDO A UNIDADE DO AMOR DO SENHOR...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 16,23b-28)(12/5/18)

Caríssimos irmãos e irmãs, todos os escolhidos por Deus para o serviço da salvação das almas, têm a assistência permanente do Espírito Santo, pois "os dons e o chamamento de Deus são irrevogáveis." De fato, todos nós que vivemos essa luta espiritual contra as forças do mal, precisamos permanentemente da proteção do Senhor para que a Sua salvação chegue aos confins do universo. Seguir Jesus e anunciá-lo, é depositar Nele todos aqueles que encontramos na evangelização que fazemos; para que participem conosco da misericórdia e do amor que o Senhor concede à todos que o amam.

Ora, quais são as armas por nós usadas nessa luta espiritual que travamos contra o maligno? As mesmas que Jesus usou e nos ensinou a usar; a oração como dom por excelência de comunicação entre nós e Deus, nosso Pai Eterno, pela ação do Espírito Santo. Depois o poder de Sua Palavra de vida eterna, com o qual Ele venceu todas as tentações e siladas do mal. (cf. Mt 4,1-11). Com efeito, a verdade suplanta toda iniquidade que se levanta contra os filhos e filhas de Deus que ainda estão neste mundo de provação. O Senhor também nos dá como armas espirituais os Santos Sacramentos como graças sensíveis que nos faz viver unidos à Ele num só corpo, Sua Igreja.

De fato, somos obras de suas mãos criados por amor para vivermos a mesma unidade da Santíssima Trindade como Jesus nos ensinou: "Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em mim. Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste. Dei-lhes a glória que me deste, para que sejam um, como nós somos um: eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim."

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

SENHOR, EU CONFIO EM VÓS...


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 16,20-23a)(11/5/18)

Caríssimos, a certeza de que Deus nos ama e age sempre em nosso favor, nos faz sentir-nos seguros e de que Nele temos tudo, pois é Ele quem sustenta a nossa fé. Na primeira leitura de hoje, Paulo teve a confirmação dessa verdade ao escutar o Senhor numa visão: “Não tenhas medo; continua a falar e não te cales, porque eu estou contigo. Ninguém te porá a mão para fazer mal. Nesta cidade há um povo numeroso que me pertence”.

Caríssimos, também nós que fomos batizados recebemos o dom do Espírito Santo, para vivermos o mesmo relacionamento espiritual com o Senhor, por meio da oração, da Santa Eucaristia e de Sua Palavra, presença viva que nos fala prontamente; e ainda como Ele nos ensinou, por Sua Igreja, tendo à frente Pedro, presente na sua pessoa do Santo Padre: "E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus."

No Evangelho de hoje, Jesus faz uma analogia (comparação) entre a mulher em dores de parto e os discípulos que sofrem as dores por sua partida, dizendo-lhes: "A mulher, quando deve dar à luz, fica angustiada porque chegou a sua hora; mas, depois que a criança nasceu, ela já não se lembra dos sofrimentos, por causa da alegria de um homem ter vindo ao mundo. Também vós agora sentis tristeza, mas eu hei de ver-vos novamente e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. Naquele dia, não me perguntareis mais nada”.

Conclusão: A alegria do Senhor ressuscitado é o sinal de sua presença em nós, que o amamos e nos dedicamos à Ele todos os dias de nossa vida; sim, porque o Senhor, por meio de sua Onipresença, continua conosco como Ele mesmo disse: "Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo." Ora, se Deus é por nós, quem será contra nós?

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

VIVENDO NA PRESENÇA DO SENHOR...



PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 16,16-20)(10/5/18).

Caríssimos, a mensagem de vida eterna comunicada por Jesus e continuada pelo Espírito Santo, tem nos pregadores escolhidos, ungidos e enviados para comunicarem essa mensagem, a clareza inconfundível de que essa é a vontade de Deus para a salvação dos homens. De certo, a vida natural é só um sopro, isso sabemos, todavia, a vida humana se encontra, não apenas no sopro natural que temporariamente a mantém aqui, mas sim na alma imortal que a contém para além do tempo, pois é "imagem e semelhança de Deus."

A Palavra de Jesus sustenta todas as coisas, Ele é o Messias enviado por Deus Pai para nos comunicar a vida divina que recebemos quando nascemos da água e do Espírito Santo no batismo. Este é o primeiro Sacramento que recebemos; ele contém em si a vida da graça anunciada por Jesus, ou seja, a filiação divina; aliás todo Sacramento é uma "Teofania" divina, isto é, uma manifest(ação) direta de Deus, que age e realiza sensivelmente a graça anunciada e dada nos demais Sacramentos por nós recebidos.

No salmo de hoje cantamos as maravilhas realizadas pelo Senhor para além das fronteiras do seu povo escolhido, para assim se cumprir a promessa feita à Abraão e à sua descendência para sempre, como meditamos nesse salmo: "Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!"

Caríssimos, não existe alegria maior do que a alegria que o Senhor nos dá de vivermos em Sua Presença, fazendo em tudo a Sua Vontade; pois, isto é que nos ensinou São João na sua primeira carta: "O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado e as nossas mãos têm apalpado no tocante ao Verbo da vida - porque a vida se manifestou, e nós a temos visto; damos testemunho e vos anunciamos a vida eterna, que estava no Pai e que se nos manifestou -, o que vimos e ouvimos nós vos anunciamos, para que também vós tenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo. Escrevemo-vos estas coisas para que a vossa alegria seja completa."

Conclusão: “O que significa este pouco tempo? Não entendemos o que ele quer dizer”. Caríssimos, com a morte e ressurreição de Cristo, o tempo já não é mais, pois desde que ressuscitamos com Ele no batismo, a eternidade se encontra em nossas almas pela presença permanente do Espírito do Senhor que em nós habita segundo a Sua Santa Vontade.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

A VERDADE É A ÚNICA FONTE DA LIBERTAÇÃO DE HUMANIDADE


PEQUENO SERMÃO DE CADA DIA (Jo 16,12-15)(09/5/18).

Caríssimos irmãos e irmãs, a Verdade é Jesus Cristo, Filho de Deus Altíssimo; como nos ensinou, São Paulo, na sua Carta aos Efésios: "Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com toda a bênção espiritual em Cristo, e nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos. Nesse Filho, pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça que derramou profusamente sobre nós, em torrentes de sabedoria e de prudência."

De fato, a verdade é a fonte inesgotável da libertação de toda a humanidade, pois é isso que meditamos no Evangelho escrito por São João: "Jesus dizia aos judeus que nele creram: Se permanecerdes na minha palavra, sereis meus verdadeiros discípulos; conhecereis a verdade e a verdade vos livrará." Ora, na verdade se encontra a liberdade eterna. Mas nem todos os homens a aceitam tal qual ela é, porque isto requer conversão, isto é, uma transformação interior que os faça transparecer todos os valores divinos que Deus deu à todos os homens quando os criou "à sua imagem e semelhança."

Com efeito, ao enviar o Espírito Santo sobre Maria e os Apóstolos no dia de Pentecostes, o Senhor o fez para que a plenitude da verdade por eles recebida fosse anunciada e difundida até os confins do mundo, a fim que todo aquele que a escute e nela permaneça, tenha a vida eterna.

Conclusão: Caríssimos, vivemos num mundo onde a todo custo tentam calar a verdade, à começar pelo barulho dos meios de comunicação, que comunicam tudo, menos a verdade. Por isso, os filhos e filhas de Deus, precisam libertar-se totalmente da boca maldita da mídia televisiva, falada e escrita, para dar ouvidos somente à Santa Palavra de Deus, pois nela se encontra o tesouro inesgotável de Sua Sabedoria e da Sua Vontade. Portanto, este é o grande presente do céu que Jesus veio trazer para todo aquele que Nele crê.

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria OFMConv.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...