VEM SENHOR JESUS!

"Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não incorre na condenação, mas passou da morte para a vida". (Jo 5,24).

SEJAM BEM VINDOS À ESSA PORTA ESTREITA DA SALVAÇÃO

"Uma só coisa peço ao Senhor e a peço incessantemente: é habitar na casa do Senhor todos os dias de minha vida, para admirar aí a beleza do Senhor e contemplar o seu santuário". (Sl 26,4).

quinta-feira, 31 de julho de 2014

A IGREJA É SANTA: TAMBÉM VÓS, SEDE SANTOS COMO O VOSSO PAI CELESTE É SANTO...


A IGREJA É SANTA: LOGO, SEDE SANTOS COMO O VOSSO PAI CELESTE É SANTO...

No Credo Niceno-constantinopolitano, professamos: “Creio na Igreja una, santa, católica e apostólica”. O fato é que, São Paulo, em sua carta aos efésios já havia emitido tal profissão de fé, pois lá está escrito: “Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível”. (Ef. 5,25-27). E professou ainda: “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja. Dela fui constituído ministro, em virtude da missão que Deus me conferiu de anunciar em vosso favor a realização da palavra de Deus, mistério este que esteve escondido desde a origem às gerações (passadas), mas que agora foi manifestado aos seus santos”. (Col 1,24-26).

Desse modo, creio firmemente o que a Igreja crê e ensina: a Igreja é Santa, porque ela é o Corpo de Cristo, do qual ele é a cabeça e nós somos seus membros; e o faço pelo fato de que sua origem é divina, pois foi o próprio salvador que a fundou e a mantém, como meditamos no Evangelho de São Mateus: “E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. (Mt 16,18-19).

E o faço ainda, conforme a Igreja nos ensina no Catecismo: “Cristo e a Igreja, eis, portanto, o "Cristo total" ("Christus totus"). A Igreja é una com Cristo. Os Santos têm uma consciência bem viva desta unidade:

Alegremo-nos, portanto, e demos graças por nos termos tornado não somente cristãos, mas o próprio Cristo. Compreendeis, irmãos, a graça que Deus nos concedeu ao dar-nos Cristo como Cabeça? Admirai e rejubilai, nós nos tornamos Cristo. Com efeito, uma vez que Ele é a Cabeça e nós somos os membros, o homem inteiro é constituído por Ele e por nós. A plenitude de Cristo é, portanto, a Cabeça e os membros. O que significa isto: a Cabeça e os membros? Cristo e a Igreja.

Redemptor nos ter unam se personam cum sancta Eccies ia, quam assumpsit, exhibuit - Nosso Redentor mostrou-se como uma só pessoa com a santa Igreja, que ele assumiu.

Caput et inembra sunt quasi una persona mystica - Cabeça e membros são como uma só pessoa mística”. (CIC §795).

Sei que muitos dizem por aí, que a Igreja é santa e pecadora, dependendo da compreensão dessa colocação, não me conformo com isso, pois se essa afirmação (“a igreja é santa e pecadora”) for realmente o que diz, a Igreja teria de mudar o seu símbolo apostólico. Isto porque, na primeira Carta de São João, meditamos o seguinte: “Sabeis que (Jesus) apareceu para tirar os pecados, e que nele não há pecado. Todo aquele que permanece nele não peca; e todo o que peca não o viu, nem o conheceu”. (1Jo 3,5).

E ainda: “Filhinhos, ninguém vos seduza: aquele que pratica a justiça é justo, como também (Jesus) é justo. Aquele que peca é do demônio, porque o demônio peca desde o princípio. Eis por que o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do demônio. Todo o que é nascido de Deus não peca, porque o germe divino reside nele; e não pode pecar, porque nasceu de Deus (cf. Jo 3,5-9;1Jo 3,1-3). É nisto que se conhece quais são os filhos de Deus e quais os do demônio: todo o que não pratica a justiça não é de Deus, como também aquele que não ama o seu irmão”. (1Jo 3,6-10). Ou seja, não pode uma mesma fonte jorrar água pura e água podre (cf. Tg 3,11-12).

Com efeito, assim nos ensinou o Senhor Jesus, no Evangelho de São João: “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará; e podará todo o que der fruto, para que produza mais fruto. Vós já estais puros pela palavra que vos tenho anunciado”. (Jo 3,1-3). E na explicação da parábola do joio, disse Jesus: “O que semeia a boa semente é o Filho do Homem. O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do Reino. O joio são os filhos do Maligno. O inimigo, que o semeia, é o demônio. A colheita é o fim do mundo. Os ceifadores são os anjos. E assim como se recolhe o joio para jogá-lo no fogo, assim será no fim do mundo. O Filho do Homem enviará seus anjos, que retirarão de seu Reino todos os escândalos e todos os que fazem o mal e os lançarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes. Então, no Reino de seu Pai, os justos resplandecerão como o sol. Aquele que tem ouvidos, ouça”. (Mt 13,37-43).

Portanto, não chamem de Igreja aqueles que vivem dentro da Igreja, mas não obedecem ao que a Igreja ensina, não fazem a vontade de Deus como a Igreja faz e não testemunham Jesus como a Igreja testemunha; isto porque no pecado e no escândalo não existe a vontade de Deus, e onde a vontade de Deus não se faz presente, a Igreja também não se faz presente, porque a Igreja é a vontade de Deus para a salvação da humanidade. Todavia, precisamos cuidar de nossa conduta para que não seja conduta de insensatos, nos achando santos e os outros condenados; longe de nós pensarmos e agirmos assim.

Ora, quem no alerta sobre isto é São Paulo, na sua Carta aos Gálatas: “Irmãos, se alguém for surpreendido numa falta, vós, que sois animados pelo Espírito, admoestai-o em espírito de mansidão. E tem cuidado de ti mesmo, para que não caias também em tentação! Ajudai-vos uns aos outros a carregar os vossos fardos, e deste modo cumprireis a lei de Cristo. Quem pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. Cada um examine o seu procedimento. Então poderá gloriar-se do que lhe pertence e não do que pertence a outro. Pois cada um deve carregar o seu próprio fardo”. (Gl 6,1-5).

Já na Carta aos Romanos, ele escreve: “Nenhum de nós vive para si, e ninguém morre para si. Se vivemos, vivemos para o Senhor; se morremos, morremos para o Senhor. Quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor. Para isso é que morreu Cristo e retomou a vida, para ser o Senhor tanto dos mortos como dos vivos. Por que julgas, então, o teu irmão? Ou por que desprezas o teu irmão? Todos temos que comparecer perante o tribunal de Deus. Porque está escrito: Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo joelho, e toda língua dará glória a Deus (Is 45,23). Assim, pois, cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus. Deixemos, pois, de nos julgar uns aos outros; antes, cuidai em não pôr um tropeço diante do vosso irmão ou dar-lhe ocasião de queda”. (Rm 14,7-13).

Aliás, o Senhor Jesus já nos havia ensinado antes sobre isto, quando disse: “Amai os vossos inimigos, fazei bem e emprestai, sem daí esperar nada. E grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, porque ele é bom para com os ingratos e maus. Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados; dai, e dar-se-vos-á. Colocar-vos-ão no regaço medida boa, cheia, recalcada e transbordante, porque, com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também”. (Lc 6,35-38).

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.
Creative Commons License
FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

sábado, 26 de julho de 2014

AJUDA-ME, SENHOR, A SER PERFEITO...(Mt 5,48).


AJUDA-ME, SENHOR, A SER PERFEITO (cf. Mt 5,48)


Senhor, ajuda-me a ser perfeito, pois não quero mais pecar...
Nem por pensamentos, palavras, atos ou omissões...
No entanto, como fazer pra isso acontecer?
Pois tento sempre me firmar nos bons propósitos...
Mas, quando menos espero, estou traindo a mim mesmo...
E caindo nas minhas próprias ciladas...
E assim, minha alma enganada, volta ao limbo de sua miséria...
E aquilo que era fortaleza em mim,
transforma-se em um antro de angústia...
E com isso, sinto-me franco como se estivésseis distante,
e eu aqui, como que sozinho, num vazio inebriante,
vendo todo progresso de minha alma se esvair...

Ajuda-me, Senhor, em minha triste condição, a não me trair mais...
Ajuda-me a ser capaz de tua fidelidade...
Assim, a capacidade de vencer a mim mesmo e todo o mal, se multiplicará...
E em mim só haverá lugar para ti e nada mais...
Porque, como disse São Francisco de Assis:
"Teu pior inimigo és tu mesmo, vence-te a ti mesmo,
e assim vencerás todos os inimigos, visíveis e invisíveis".
Senhor, é exatamente isso o que eu mais quero fazer,
mas tenho encontrado em mim mesmo um inimigo resistente...
E como que num de repente, perco facilmente a batalha começada...

Ó Senhor, chego às vezes a me cansar ou até desanimar...
É quando sinto tua mão a me amparar,
para que não caia no abismo que abri à mim mesmo,
pela tentação à que cedi...
Quantas vezes, Senhor, te pedi socorro e me socorreste...
Quantas vezes vi a morte no pecado a me rondar,
e mesmo sem querer vacilar, lhe dei alguma atenção?
Ah! Senhor, foram tantas vezes, que me envergonho só em pensar...
E mesmo assim me deste sempre uma nova chance para recomeçar...

Como viver sem ti, Senhor, que és tão bom para com todos?
Como viver sem o teu amparo, sem o teu consolo...
se tudo sem ti é só pecado, e nada mais?
Um milésimo de segundo sem tua graça,
é desespero, é desgraça, é infortúnio infernal...
Ajuda-nos, ó Senhor, em teu infinito amor à nunca vacilar...
Vem nos amparar com tua divina misericórdia,
pois, só assim veremos a tua glória...
quando no teu dia eterno vieres nos buscar... (Jo 14,1-3).

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.

Creative Commons License
FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

É NECESSÁRIO...



“É NECESSÁRIO ENTRARMOS NO REINO DE DEUS POR MEIO DE MUITAS TRIBULAÇÕES”. (At 14,22b).

Tudo o que fazemos na vida depende sempre de nossas decisões, sejam elas quais forem; isto acontece porque de certa forma temos autonomia em relação a tudo com que interagimos, porém, ninguém é autossuficiente o bastante para dizer: não preciso. Deus ao nos criar nos deu certa autonomia dependente, para que tendo Ele como fonte de toda vida, vivêssemos Dele para formarmos uma unidade perfeita com Ele e entre nós. A vida sem Deus é impossível, e o ser humano precisa reconhecer isto, pois somente o Espírito do Senhor une todas as coisas, e é Ele que nos dá a conhecer as graças que Deus nos prodigalizou (cf. 1Cor 2,12).

Ora, nós temos a escandalosa divisão que temos na face da terra, porque os homens abandonaram de vez o modo de ser do Espírito de Deus, que age somente naqueles que o amam. É como está escrito: “Amai a justiça, vós que governais a terra, tende para com o Senhor sentimentos perfeitos, e procurai-o na simplicidade do coração, porque ele é encontrado pelos que o não tentam, e se revela aos que não lhe recusam sua confiança; com efeito, os pensamentos tortuosos afastam de Deus, e o seu poder, posto à prova, triunfa dos insensatos. A Sabedoria não entrará na alma perversa, nem habitará no corpo sujeito ao pecado; o Espírito Santo educador (das almas) fugirá da perfídia, afastar-se-á dos pensamentos insensatos, e a iniquidade que sobrevém o repelirá”. (Sb 1,1-5).

Uma coisa é alguém pensar por si mesmo ou a partir das outras criaturas; outra bem diferente é alguém pensar e agir a partir da sabedoria do Espírito Santo, como nos ensinou São Paulo (cf. 1Cor 2,1-8). Ora, como Filho de Deus, Jesus nos ensina a pensar e agir como filhos e filhas de Deus, por meio da obediência perfeita do Espírito Santo. Viver essa comunhão de vida com Deus, pelo seu Espírito que habita em nós, é experimentar a familiaridade divina, é viver espiritualmente neste mundo. Pois, “O Senhor é Espírito, e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”. (2Cor 3,17).

Deus nos enviou o seu Filho, Jesus Cristo (cf. Jo 3,16-17), e por meio Dele nos deu o Seu Espírito (cf. Jo 14,15-17) que nos ensina a conhecer todas as coisas (cf. Jo 14,26). E que conhecimento é esse? Deus é único e Pai de nossas almas; e porque nos ama, nos enviou Seu Filho único, nascido da Virgem Maria (cf. Lc 1,26-38), para que crendo nele, vivêssemos a unidade perfeita entre nós pelo seu Espírito, que nos faz nascer de novo para um viver novo como seus filhos e filhas. Jesus nos revelou ainda que este mundo está passando por um processo de renovação definitiva, e que Deus Pai, tem preparado para aqueles que o amam, o seu Reino de amor, de paz, de verdade e justiça; onde não há maldade nem morte nem finitude alguma.

Certa feita, alguém perguntou a Jesus: “Quando virá o Reino de Deus?” Ao que Jesus respondeu: “O Reino de Deus não virá de um modo ostensivo. Nem se dirá: Ei-lo aqui; ou: Ei-lo ali. Pois o Reino de Deus já está no meio de vós”. (Lc 17,20-21). Ou seja, o Reino de Deus em sua visibilidade temporal é a Igreja, e Jesus é o Rei que governa sua Igreja, tendo como primeiro representante o Santo Padre, o Papa; depois os bispos (sucessores dos apóstolos), padres, diáconos, religiosos, e todo povo de Deus. Tal e qual as primeiras comunidades apostólicas, a Igreja é católica (universal), apostólica (fundada sob os apóstolos), cuja sede fica na Colina Vaticana em Roma. Assim, a Igreja é, de fato, Sacramento Universal da Salvação, aberta e pronta para receber todas as almas que se convertem e são destinas aos céus. Todavia, temos que entender ainda que a Igreja está no mundo como o trigo em meio ao joio, como Jesus menciona na parábola. Porém, ela tem a fecundidade e a assistência do Espírito Santo para que, como trigo que é, cresça e morra, e dê milhões de frutos até a colheita definitiva no grande e terrível dia do Senhor (cf. Jl 2).

Com efeito, a Igreja tem experimentado constantemente esse ser “trigo esmagado”, pois, sem dúvida alguma, os ataques maléficos contra o Reino de Deus, presente na Igreja, têm sido frequentes e ininterruptos, seja pelos meios de comunicação social, seja pelos governos instituídos, detentores dos poderes temporais; seja ainda pelas instituições protestantes, espiritualistas, maçônicas, materialistas, ateias etc., que regem esses governos; quer também pelos mais diversos grupos notadamente antagônicos, como bandas de rock, igrejas satânicas, instituições abortistas e/ou homo afetivas com suas provocações e imposições, como se fossem elas as perseguidas, etc. Ora, falar sobre esses perseguidores e seus instrumentos de perseguição, é tornar-se alvos precisos de suas intolerâncias, e quem sabe até, tornar-se mártires por denunciar tais perseguições abertamente.

Eis o que ensinou São Paulo a esse respeito: “Nota bem o seguinte: nos últimos dias haverá um período difícil. Os homens se tornarão egoístas, avarentos, fanfarrões, soberbos, rebeldes aos pais, ingratos, malvados, desalmados, desleais, caluniadores, devassos, cruéis, inimigos dos bons, traidores, insolentes, cegos de orgulho, amigos dos prazeres e não de Deus, ostentarão a aparência de piedade, mas desdenharão a realidade. Dessa gente, afasta-te!” (2Tm 3,1-5). E ainda: “Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: comportai-vos como verdadeiras luzes. Ora, o fruto da luz é bondade, justiça e verdade. Procurai o que é agradável ao Senhor, e não tenhais cumplicidade nas obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, condenai-as abertamente. Porque as coisas que tais homens fazem ocultamente é vergonhoso até falar delas. Mas tudo isto, ao ser reprovado, torna-se manifesto pela luz. E tudo o que se manifesta deste modo torna-se luz. Por isto (a Escritura) diz: Desperta, tu que dormes! Levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará (Is 26,19; 60,1)!” (Ef 5,8-14).

Portanto, eis a resposta do Senhor Jesus à tudo isso que está acontecendo: “O que vos digo na escuridão, dizei-o às claras. O que vos é dito ao ouvido, publicai-o de cima dos telhados. Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena. Não se vendem dois passarinhos por um asse? No entanto, nenhum cai por terra sem a vontade de vosso Pai. Até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois! Bem mais que os pássaros valeis vós. Portanto, quem der testemunho de mim diante dos homens, também eu darei testemunho dele diante de meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus”. (Mt 10,28-33).

Paz e Bem!

Frei Fernando Maria,OFMConv.

Creative Commons License
FREI FERNANDO, VIDA, FÉ E POESIA by Frei Fernando,OFMConv. is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

A TÊMPERA DOS MÁRTIRES...

video


A TÊMPERA DOS MÁRTIRES...

Das Homilias de São João Crisóstomo, bispo
(Hom. De gloria in tribulationibus, 2.4: PG 51, 158-159.162-164)(Séc.IV)

Consideremos a sabedoria de Paulo. Que diz ele? Eu entendo que os sofrimentos do tempo presente nem merecem ser comparados com a glória que deve ser revelada em nós (Rm 8,18). Por que, exclama, me falais das feridas, dos tormentos, dos altares, dos algozes, dos suplícios, da fome, do exílio, das privações, dos grilhões e das algemas? Ainda que invoqueis todas as coisas que atormentam os homens, nada podeis mencionar que esteja à altura daqueles prêmios, daquelas coroas, daquelas recompensas. Pois as provações cessam com a vida presente, ao passo que a recompensa é imortal, permanecendo para sempre.

Também isto insinuava o Apóstolo em outro lugar, quando dizia: O que no presente é insignificante e momentânea tribulação (cf. 2Cor 4,17). Ele diminuía a quantidade pela qualidade, e alivia a dureza pelo breve espaço de tempo. Como as tribulações que então sofriam eram penosas e duras por natureza, Paulo se serve de sua brevidade para diminuir-lhe a dureza, dizendo: O que no presente é insignificante e momentânea tribulação, acarreta para nós uma glória eterna e incomensurável. E isso acontece, porque voltamos os nossos olhares para as coisas invisíveis e não para as coisas visíveis. Pois o que é visível é passageiro, mas o que é invisível é eterno (cf. 2Cor 4,17-18).

Vede como é grande a glória que acompanha a tribulação! Vós mesmos sois testemunhas do que dizemos. Antes mesmo que os mártires tenham recebido as recompensas, os prêmios, as coroas, enquanto ainda se vão transformando em pó e cinza, já acorremos com entusiasmo para honrá-los, convocando uma assembleia espiritual, proclamando o seu triunfo, exaltando o sangue que derramaram, os tormentos, os golpes, as aflições e as angústias que sofreram. Assim, as próprias tribulações são para eles uma fonte de glória, mesmo antes da recompensa final.

Tendo refletido sobre estas coisas, irmãos caríssimos, suportemos generosamente todas as adversidades que sobrevierem. Se Deus as permite, é porque são úteis para nós. Não percamos a esperança nem a coragem, prostrados pelo peso dos sofrimentos, mas resistamos com fortaleza e demos graças a Deus pelos benefícios que nos concedeu. Deste modo, depois de gozarmos dos seus dons na vida presente, alcançaremos os bens da vida futura, pela graça, misericórdia e bondade de nosso Senhor Jesus Cristo. A ele pertencem a glória e o poder, com o Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos. Amém.


Paz e Bem!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...